Quero exprimir aqui toda a admiração que tenho pelo trabalho de Célia Gouvêa, pelo domínio de sua arte e grande sensibilidade.Só posso desejar que ela continue as suas pesquisas nas melhores condições e leve sua experiência étnica e cultural para outras regiões do mundo
                                                                                                                              Maurice Béjart

Sem sombra de dúvida, Célia Gouvêa está entre os melhores, mais criativos, ousados e pessoais coreógrafos que por aqui atuaram.
                                                                                                                           Maurice Vaneau

Célia Gouvêa tem um papel muito importante na história recente da nossa dança.Caminhada , o espetáculo que marcou a sua volta ao Brasil, em 1974, inaugurava a companhia que fundou com Maurice Vaneau, o Teatro de Dança de São Paulo. Lá, já se revelava uma criadora inquieta e antenada.Desde então, nunca deu trégua ao comodismo estético, lutando, através das suas mais de 40 coreografias, para que a dança contemporânea conquistasse reconhecimento.
Inquietação – Pela importância de sua trajetória, pela força da inquietação que sempre temperou o seu percurso, Célia Gouvêa destaca-se como militante na linha de frente da resistência que alguns artistas mantêm em favor da arte brasileira de qualidade.
                                                                                         Helena Katz – “O Estado de São Paulo

Célia Gouvêa tem um talento coreográfico que agiganta a figura tênue e frágil de mulher e dançarina.O seu mergulho em movimentos é ousado, a sua visão personalíssima, a sua criação precisa e coerente com o espírito daquilo a que se propõe...Célia lida com imagens, como um poeta...Um espetáculo de extrema riqueza de invenção e acabamento”.
                                                                                                  Sergio Viotti - "Jornal da Tarde"

As coreografias de Célia Gouvêa revelam uma artista sempre sintonizada com o seu tempo...”Promenade” é uma pequena obra prima com sua música “silenciosa”, feita
de respiração, voz, batidas no chão e com movimentos que criam harmonia rítmica que é, sobretudo ,visual.
                                                               Acácio Ribeiro Valim Junior - "O Estado de São Paulo"

A inteligência, a sensibilidade e a coerência de Maurice Vaneau e Célia Gouvêa, tecem
Uma tapeçaria nobre, generosa e abrangente”.
                                                                                                Alberto Guzik - "Jornal da Tarde"

Afinal acontece no palco uma coisa rara de se ver nos últimos tempos:invenção.
                                                                                                Marilia PAcheco Fiorillo - "Isto É"

“Trem Fantasma”.A alegria de libertar a arte do movimento de suas amarras históricas.
Arrasta a platéia para um mundo de sonho e magia em que as imagens oníricas se sucedem como numa colagem em movimento para a qual colaboram outras formas de expressão artística como a palavra poética, o circo, o teatro.
                                                                                         Corina de Figueiredo - "Revista Visão"

O espetáculo ao qual não falta profundidade, demonstra a riqueza das possibilidades oferecidas pela dança contemporânea:passos clássicos, ritmos africanos,expressividade teatral, reflexão irônica...preservando sem cessar a emoção simples de uma carícia.
                                                                                 Natacha Costa - "Les Saisons de la Danse"

Eu acho este trabalho muito comovente.As bailarinas são magníficas.Há um frescor, uma simplicidade e uma profundidade que me tocaram muito.
                                                      Ariane Mnouchkine, diretamente do Théatre du Soleil (Paris)

Considero Célia uma excelente coreógrafa:ritmo, forma e especialmente desenhos de seus balés são originais.
                                                                                                                          Maria Duschebes

Percebe-se em suas coreografias, através de linhas e desenhos ultra originais, um mundo existencial.Ela não vê as coisas tal como os coreógrafos tradicionalistas.As palavras-chave que soam através de suas coreografias são termos como instantânea, orgânica, informativa, forma, meio, comunicação...na crescente confiança no velho ser somático.
                                                                                                                               Klauss Vianna
É uma coreógrafa de grande criatividade.É também uma bailarina versátil. Tem idéias próprias.
                                                                                                                            Renneé Gumiel

“Gouvêa e Vaneau ...jamais interromperam o fluxo das suas produções.Graças a este empenho pessoal, doaram para a dança brasileira uma coleção de obras importantes.
Dois artistas valentes, que merecem condições mais favoráveis para abrigarem suas
criações”.
                                                                                         Helena Katz – “O Estado de São Paulo

Célia Gouvêa, utilizando o balé clássico, dá um “show” de técnica e interpretação...
“Allegro ma non Troppo” é uma das atuais montagens que não pode deixar de ser vista. Recomendo, sem restrições, não perca.
                                                                                                            Paulo Lara - "Última Hora"